Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Banco de notícias > Produtos e serviços > Para-raios > Para-raios e detectores de fumaça
Início do conteúdo da página

Para-raios e detectores de fumaça

A fabricação de para-raios no Brasil foi autorizada no período de 1970 a 1989, pois a literatura técnica da época indicava que este tipo de para-raios era mais eficiente que os para-raios convencionais. Posteriormente, testes mais detalhados indicaram que o desempenho destes para-raios não era superior aos dos para-raios convencionais, não se justificando, portanto, a sua utilização. Por essa razão, a CNEN suspendeu a autorização para a fabricação e instalação de para-raios radioativos.

Mas a decisão sobre a substituição dos para-raios radioativos já instalados depende das autoridades municipais competentes. Nas cidades de Rio de Janeiro e de São Paulo, por exemplo, as prefeituras determinaram que todos os para-raios radioativos sejam substituídos e enviados para os depósitos da CNEN.

Normalmente, para-raios e detectores de fumaça que utilizam material radioativo contêm amerício (Am-241) ou rádio (Ra-226). Os materiais radioativos empregados nestes para-raios são retirados em células especiais de desmonte e armazenados de forma segura, no depósito de rejeitos.

Os cuidados a serem tomados em relação a embalagem, transporte e entrega de para-raios e detectores de fumaça ao IEN acham-se descritos nos itens abaixo:

Para-raios - Como retirar e embalar

Para-raios - Como entregar

Detectores de fumaça - Como embalar

Detectores de fumaça - Como entregar

Fim do conteúdo da página